Insights

Os eventos estão de volta, mas em quê mudaram?

2 Dezembro 2021, By Canela

Pouco a pouco os eventos presenciais vão regressando às nossas agendas, com todas as medidas de segurança necessárias. No entanto, isto não significa que os eventos virtuais vão desaparecer. Pelo contrário, tudo aponta para que no futuro sejam os eventos híbridos os felizes contemplados. Combinam ambas as opções e oferecem experiências completas, exclusivas e confortáveis aos convidados. Explicamos agora como tudo pode funcionar:

Mais eventos, mas mais pequenos

Perante a incerteza de organizar grandes eventos globais num contexto de risco de contágio e restrições de viagens, a tendência será organizar mais eventos ao longo do ano, mais pequenos, direcionados e especializados. Por exemplo, mediante “spin-off” de eventos atuais como a Smart City Expo que surgiu através do Mobile World Congress; ou os múltiplos eventos derivados da Web Summit de Lisboa (RISE Conference em Hong Kong, Collision em Toronto, SURGE em Bangalore e MoneyConf em Dublin).

Outra opção são os eventos distribuídos, ou seja, eventos iguais, mas que têm lugar em várias sedes diferentes para reduzir as deslocações e os aglomerados. Por exemplo, o evento IACC Americas Connect 2021 (uma conferencia que reúne os responsáveis de centros de exposições) foi realizado simultaneamente em quatro cidades dos Estados Unidos. Todos os locais estavam conectados através de uma plataforma virtual e a fórmula conseguiu aumentar a assistência em 9% em relação à edição de 2019.

Eventos híbridos com mais alcance

Embora os eventos presenciais possam estar a regressar, os seus homólogos virtuais chegaram para ficar. Métodos como a transmissão online de sessões ou plataformas de eventos virtuais provaram ser capazes de aumentar o alcance e impacto dos eventos, atingindo mais participantes que não podem comparecer pessoalmente. Permitem também um melhor networking e contactos de acompanhamento após o evento.

A realidade virtual e a realidade aumentada também desempenharão um papel cada vez mais importante nos eventos. Plataformas como a Gather oferecem possibilidades interessantes de organizar apresentações, conferências e demonstrações para complementar eventos presenciais. E no horizonte estão metaversos do Facebook, Microsoft e outros, que permitirão a criação de mundos virtuais nos quais se podem realizar eventos de todo o tipo.

Canela
Os acontecimentos presenciais estão de volta, mas são diferentes da era pré-covida.

Dados como moeda de troca

Parece claro que levará algum tempo para que os números de assiduidade regressem aos níveis pré-pandémicos. Uma forma de incentivar a participação em eventos presenciais será reduzir ou mesmo eliminar as taxas de inscrição. Por exemplo, os bilhetes mais caros para MWC Barcelona 2022 custarão até 800 euros menos do que em 2019, e a edição 2021 ofereceu bilhetes básicos a partir de apenas 21 euros para os visitantes locais. Em muitas feiras comerciais, são os próprios expositores que assumem o custo dos bilhetes, para convidarem os seus contactos a participar e assegurarem uma boa afluência aos seus stands.

No entanto, o acesso “gratuito” tem um preço: o pré-registo é obrigatório e exige o fornecimento de uma série de dados pessoais e profissionais. Esta informação é depois utilizada pelos organizadores de eventos e empresas para campanhas de e-mail marketing e meios de comunicação social para atingir potenciais clientes. Big Data tornará esta informação ainda mais valiosa para melhor compreender o mercado, e os dados tornar-se-ão cada vez mais a moeda de troca para a participação em eventos presenciais!

Experiência e formação são as chaves

Se antes da pandemia já era difícil conseguir que os profissionais deixassem o seu trabalho quotidiano para participar num evento, com as medidas de segurança que são atualmente necessárias, agora pensam ainda mais antes de se inscreverem num evento. É por isso que é essencial aumentar o valor acrescentado oferecido pelos eventos cara-a-cara.

Por um lado, isto significa ter o maior cuidado com a experiência dos participantes, com uma localização atraente, um formato agradável, atividades de networking, etc. Por outro lado, os participantes esperam que a sua presença crie um retorno mensurável e justificável para a sua empresa. Por exemplo, aumentar os seus conhecimentos ou competências, fazer contactos…Neste sentido, os eventos orientados para a formação (tais como conferências, seminários ou workshops) ganham peso sobre os eventos comerciais, apresentações de produtos, etc.

Maior compromisso social e ambiental

Os aspetos sociais e ambientais estão a tornar-se cada vez mais importantes nas decisões de compra dos consumidores, e isto também se aplica aos eventos. É por isso que é cada vez mais comum que estas atividades incorporem propostas e conteúdos relacionados com a sustentabilidade, igualdade de género, integração de pessoas com deficiência, etc.,

Desde a escolha de um local amigo do ambiente à minimização do desperdício ou à incorporação de perspetivas de género ou diversidade cultural na agenda, há muitas formas de tornar o seu próximo evento mais consciente social e ambientalmente. Por sua vez, isto torná-lo-á mais especial e atrativo para os participantes e para os meios de comunicação social.

Quer organizar um evento com meios ou influenciadores? Na Canela podemos ajudar!