Insights

O confinamento marcou um antes e depois nos eventos

15 Setembro 2020, By Elena Mañas

No último episódio do podcast Una pizca de Canela analisámos o futuro deste setor.

Como serão os eventos do futuro? Esta foi uma das perguntas que os profissionais de comunicação e relações públicas mais fizeram durante o período de confinamento que vivemos devido ao COVID-19. A trabalhar de pantufas a partir de casa e assistindo a calls atrás de calls, fomos vendo como se cancelavam e adaptavam eventos de todo o tipo. Segundo um estudo da Professional Convention Management Association (PCMA), 7 em cada 10 profissionais do setor adaptaram os seus eventos ao formato virtual.

Com a nova normalidade, algumas marcas estão a considerar voltar aos eventos presenciais, tomando as devidas medidas de segurança, mas os eventos virtuais estão claramente em grande força este ano. Estas são algumas das tipologias de eventos online que temos visto durante estes meses e que, seguramente, veremos no futuro:

Conferências de imprensa à distância

As conferências de imprensa são uma das principais formas de transmitir uma mensagem à população, sobretudo quando se trata de política. Luis Marchal, jornalista freelance e colaborador habitual em meios como o El Economista em Espanha, explica que assistir a uma conferência de imprensa virtual “não é o mesmo que ir a uma conferência em direto e presencial, mas ao menos conseguimos continuar a informar as pessoas”. O principal inconveniente da versão virtual dá-se na hora das perguntas. No início estas faziam-se por chat, no entanto, os jornalistas criticavam que o filtro não era imparcial. Depois optou-se por um sistema de perguntas por sorteio, no entanto, para Marchal continua a ser melhor o sistema presencial.

Webinars y formações online

É bastante difícil encontrar alguém do setor que não tenha assistido a pelo menos um webinar nestes últimos meses. São workshops ou masterclasses organizados remotamente. Estes eventos já eram tendência antes da pandemia, mas agora estão a viver o seu momento de maior sucesso. No caso de workshops que não necessitam de nenhuma ação manual (como os de marketing ou comunicação, por exemplo), provavelmente no futuro continuarão a apostar na opção virtual já que reduz bastante os custos e evita a um deslocamento desnecessário.

Eventos com avatares virtuais

Esta foi uma das modalidades de eventos mais inovadoras. Samuel Rodriguez, sócio e fundador do e-commerce News em Espanha, explica-nos a sua aposta em “eventos imersivos com tecnologia 3D, ou seja, recriar um videojogo tipo Sims ou Second Life, num ambiente de um evento”. Dentro da plataforma seríamos um avatar que poderia percorrer os corredores de uma feira, consultar stands de marcas e interagir com outros avatares. Um exemplo claro desta tendência foram os concertos que o rapper Travis Scott deu no videojogo Fortnite.

Streaming em todo tipo de plataformas

Se antes do confinamento o streaming em plataformas como Instagram ou Twitch se usavam mais para o entretenimento, agora foi potenciada a parte informativa e didática desta ferramenta. Não só assistimos a concertos ou conversas de celebridades, mas também a palestras, conferências ou apresentações de produtos transmitidas desta forma.

O bom e o mau dos eventos online

A vantagem dos eventos online são conhecidas por todos: redução de custos (tanto de organização como dos participantes) e otimização de tempo, já que dispensa deslocamentos. No entanto, nos eventos virtuais perde-se algo muito importante: a possibilidade de ter uma conversa informal com colegas e fazer assim o chamado networking. É por esse motivo que, mesmo que os eventos virtuais tenham chegado para ficar, esta opção não será válida para todos os casos.

O COVID-19 marcou um antes e um depois neste setor e vemos agora um novo panorama com uma maior variedade de tipologias de eventos. Haverá os eventos puramente virtuais (como os webinars), os que apostam num modelo hibrido (dando a opção às pessoas que não quiserem deslocar-se de acederem virtualmente ao evento) e os que continuam a utilizar o modelo puramente presencial.

Aproveitemos este momento de viragem para desenvolver a criatividade e as infinitas possibilidades com que nos brinda a digitalização dos eventos.