Insights

Nada será igual: as transformações das agências de RP

22 Outubro 2019, By Canela

O nosso papel como uma agência de relações públicas é criar notícias sobre os nossos clientes para que os media as publiquem, mas cada vez mais nos encontramos como os protagonistas das notícias. Ainda estávamos a digerir a notícia sobre a fusão da Burson-Marsteller com a Cohn & Wolfe, duas das melhores empresas no setor, quando percebemos que a Edelman, líder do setor, contratou uma das maiores empresas de publicidade (conta com 600 criativos) ou que a Weber Shandwick criou uma super divisão onde agrupou toda a sua concorrência digital. Isto para não mencionar os constantes rumores de fusões e aquisições entre empresas do setor e o ir e vir das grandes contas.

O que é que se está a passar no setor das relações públicas para que haja tanto movimento nos últimos tempos? Como sempre, o nosso mercado está a mudar a uma velocidade tão impressionante, se não adaptamos a nossa forma de trabalhar, corremos o risco de ficar para trás e nos tornarmos antiquados. Por isso é que escolhemos a transformação das relações públicas como uma tendência de 2019.

Canela

O que é que está a mudar nas Relações Públicas?

A Canela é uma agência relativamente recente com apenas treze anos de vida. Mas a verdade é que este setor tem sofrido tantas alterações nesta ultima década que parece que já nada é igual ao tempo em que a nossa agência foi criada. Os dossiers de imprensa eram impressos e os jornalistas ainda atendiam os telefones. No entanto, as mudanças a que nos estamos a referir são bem mais profundas:

  • Muito mais do que relações com os media. As marcas atuais não precisam de uma agência para se relacionarem com os media, precisam de uma agência para gerir toda a sua comunicação nos diferentes canais: meios offline, meios online, publicidade, redes sociais, influencers, eventos… o trabalho com os jornalistas continua a ser importante, contudo o trabalho que realizamos atualmente engloba muito mais aspetos.
  • Muito mais concorrência em todo o lado. Só nos Estados Unidos há mais de 12 mil empresas de RP, segundo a revista Forbes. Em Portugal ninguém se entreteve a contá-las, mas são centenas, se incluirmos os profissionais freelancers. A estas podemos acrescentar outro tipo de empresas com as quais também competimos em alguns aspetos, como as agências de publicidade, as agências de SEO, as agências de inbound marketing…Hoje em dia, se vir um press release na internet, é mais provável que tenha sido enviado por uma empresa de posicionamento nos motores de busca do que por uma agência de comunicação
  • Um leque alargado de profissionais. Antigamente, as agências, contratavam sobretudo consultores de comunicação. Hoje podemos encontrar designers, editores, criativos, editores de multimédia, experts em SEO /SEM, programadores e até analistas de dados. E estes profissionais, já não trabalham para um cliente específico ou apenas para um departamento. Em vez disso, participam em diferentes projetos para diferentes contas, inclusivamente para mais de um escritório dentro da mesma agência.Sabemos que as coisas têm vindo a mudar bastante nos últimos anos e que por isso temos que evoluir. Mas… o que que estamos a fazer exatamente para nos adaptarmos a todas estas mudanças?

Como nos estamos a adaptar à nova realidade das agências de RP?

A nossa admirada Elsa Punset disse que “as crises potenciam a evolução e mudanças que podiam parecer difíceis ou impossíveis podem acontecer relativamente depressa.” Isto é o que está a acontecer no setor das relações públicas e explica todos estes movimentos estratégicos que falámos no início e que são visíveis na maioria das agências.

Na Canela PR estamos muito conscientes deste facto e por isso, nos últimos anos temos feito um importante esforço para nos adaptarmos à nova realidade do mercado. Por exemplo, para ampliar o catálogo de serviços que oferecemos aos clientes, no ano passado criámos um departamento de criatividade e design, já que é um serviço que nos tem sido muito solicitado. Com o objetivo de nos diferenciarmos da concorrência organizámos a nossa equipa em três especialidades diferentes (Consumo, B2B e Lifestyle) o que nos permite reunir todos os recursos e conhecimento que os clientes necessitam em cada um destes segmentos.

Canela

Por outro lado, para nos tornarmos mais flexíveis e estarmos 100% orientados ao nosso negócio, temos transferido os nossos escritórios para espaços de coworking em Barcelona, Madrid e Lisboa. Assim não temos que nos preocupar em gerir os escritórios e podemos concentrar-nos apenas no nosso trabalho.

Procuramos igualmente sair da nossa zona de conforto incorporando contas em novos segmentos, como o caso da KONE (elevadores), Cooltra (mobilidade elétrica) ou Tadoº (domótica). Finalmente, estamos atentos à aplicação das novas tecnologias nas nossas atividades (desde Big Data à Inteligência Artificial) e contamos com uma equipa diversificada que enriquece a nossa cultura como empresa.

Esta é a receita que temos seguido na Canela PR para nos adaptarmos à transformação das relações públicas.

Se este artigo te parece interessante, partilha-o nas tuas redes sociais!